NORMA BRASILEIRA

ABNT NBR 9685:2005


Emulsão asfáltica para impermeabilização

1 . Objetivo

Esta Norma fixa os requisitos mínimos exigíveis para emulsão asfáltica destinada à execução de impermeabilização.

Esta Norma aplica-se também à composição de membranas de emulsão asfáltica.

2 . Referência normativa

A norma relacionada a seguir contém disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. A edição indicada estava em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifique, a conveniência de se usar a edição mais recente da norma citada a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento.

ABNT NBR 11341:2004 - Derivados de petróleo - determinação dos pontos de fulgor e de combustão em vaso aberto Cleveland

3 . Definições

Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições:

3.1 - emulsão: Dispersão de um liquido obtida através de um agente emulsificante.

3.2 - emulsão asfáltica: Produto resultante da dispersão de asfalto em água, através de agentes emulsificantes.

3.3 - emulsão asfáltica com carga: Produto resultante da dispersão de asfalto e cargas inertes em água, através de agentes emulsificantes.

3.4 - emulsão de asfalto modificado com elastômero: produto resultante da dispersão de asfalto e elastômero em água, através de agentes emulsificantes.

3.5 - película seca: camada de um material que envolve ou recobre certos substratos, após evaporação.

4 . Requisitos

4.1 - Gerais

4.1.1 - a emulsão deve ter consistência tal que possa ser aplicada com broxa, escovão macio ou rodo de borracha. Caso haja variação de consistência da emulsão durante a estocagem, esta deve ser passível de correção por simples agitação moderada.

4.1.2 - A emulsão não deve ser inflamável. Deve ser adequada para aplicação à temperatura acima do ponto de congelamento da água, sem diluição ou aquecimento. Deve aderir tanto às superfícies secas quanto úmidas.

4.1.3 - A emulsão deve ser homogênea, não deve apresentar separação de água ou coagulação da base asfáltica e deve ser isenta de fenóis e cresóis.

4.1.4 - A emulsão, quando aplicada com armadura sobre uma superfície vertical de concreto, à taxa de consumo de 1kd/m2, não deve escorrer.

4.2 - Emulsão asfáltica

As emulsões asfálticas devem atender aos requisitos da tabela 1.

4.3 - Película Seca

O desempenho da película seca da emulsão asfáltica deve atender aos requisitos da tabela 2.


Tabela 1 - Ensaios do produto

Requisitos Emulsão asfáltica
com carga
Emulsão asfáltica
sem carga
Emulsão de asfalto modificado com elastômero Método de ensaio
Seção
massa especifica relativa
25ºC/25ºC - g/cm3
1,10 - 1,20 0,98 - 1,04 0,98 - 1,10 6.1
Resíduo por evaporação
(mínimo) - %
50 50 55 6.2
Cinzas sobre resíduo por evaporação (Maximo) - % 30 8 8 6.3
Inflamabilidade Nenhuma possibilidade de ignição ou fogo quando aquecida a 32º C 6.4
secagem total
(máximo) - h
24 24 24 6.5

 

Tabela 2 - Desempenho do produto

Requisitos Emulsão asfáltica
com carga
Emulsão asfáltica
sem carga
Emulsão de asfalto modificado com elastômero Método de ensaio
Seção
Escorrimento a 100ºC Não deve escorrer, fluir ou formar bolhas 6.6
Resistência à água Não deve formar bolha ou reemulsificar 6.7
Flexibilidade à baixa temperatura Não deve quebrar ou trincar até o substrato, quando submetida a
+ 5ºC
Não deve quebrar ou trincar até o substrato, quando submetida a
 0ºC
Não deve quebrar ou trincar até o substrato, quando submetida a
 - 5ºC
6.8
Ensaio de chama direta A película deve carbonizar no local 6.9
Envelhecimento acelerado por ação de temperatura Não deve apresentar bolhas e gretamento 6.10
Flexibilidade após envelhecimento acelerado Não deve quebrar ou trincar até o substrato, quando submetida a
+ 15ºC
Não deve quebrar ou trincar até o substrato, quando submetida a
 + 10ºC
Não deve quebrar ou trincar até o substrato, quando submetida a
+ 5ºC
6.8.3